Herança da caligrafia manual para impressão criada por Gutemberg, as serifas são pequenos prolongamentos no fim de cada letra, um artifício criado pelos artesãos que esculpiam em pedra as matrizes utilizadas nas gráficas.


Os designers franceses Ronan e Erwan Bouroullec se inspiraram nas letras serifada para criar seu primeiro produto eletrônico, a TV Serif, fabricada pela Sansung e apresentada na London Design 2015.


Trabalhando em parceria com Yun-Je Kang, o grande nome do design por trás dos produtos Sansung, os irmãos Bouroullec (famosos por suas peças de mobiliário e instalações), criaram uma TV que que mistura o retrô ao futurismo e foge do tradicional quadro negro quando desligada.


A Serif TV está mais para uma peça de design do que para um eletrodoméstico mas trazendo como valor agregado toda a avançada tecnologia característica dos produtos com a marca da gigante coreana Sansung.


O quadro que envolve a Serif TV está disponível nas cores branco marfim, azul escuro e vermelho. Um painel de tecido na parte traseira do aparelho encobre os conectores, possibilitando um olhar bem acabado de todos os ângulos.


Disponível em vários tamanhos, incluindo uma versão mini que é pouco maior que um tablet e é perfeita para pequenos espaços, a Serif TV conta ainda com pés acopláveis, que permitem que ela seja colocada diretamente sobre o chão e seja adaptável a qualquer ambiente.


A dupla também desenvolveu a interface do usuário que inclui o "modo cortina”, com vários recursos e opções em wallpaper para visualização no modo stand by.
Um verdadeiro show de design que certamente revolucionará o mercado de TVs.


0
luminotherapie-winter-montreal-canada
Apesar do rigor do inverno canadense, um evento noturno e ao ar livre é a grande sensação em Montreal até 02 de fevereiro. Trata-se da 6ª edição da Luminothérapie, no Quartier des Spectacles, uma exposição interativa que reúne sons, luzes, arte e tecnologia.
www.cindyboycephoto.com
www.cindyboycephoto.com
Além da projeção de vídeos-arte nas fachadas dos prédios do Quartier des Spectacles, a Place Des Festivals recebeu uma instalação com 30 gangorras gigantes que emitem luz e sons quando acionadas em movimento pelo público.
seesaw-2
Outra atração igualmente interessante é um imenso jardim de refletores que mudam de cor e emitem sons conforme a ação dos ventos, do movimento dos espectadores e até o deslocamento de ar provocado pelos carros na avenida próxima.
01_luminotherapie
A exemplo do que temos visto aqui no Brasil na FILE, que este ano teve sua 16ª edição no prédio da FIESP, na Avenida Paulista, a tecnologia deve ser a principal matéria prima das artes nas próximas décadas, possibilitando uma interação do público com a obra, como nenhuma outra forma de arte até agora permitia.
ob_24120c_20141217-c8337-photo-en-9637
0

Em todo o mundo, a ocupação e transformação de prédios abandonados em equipamentos públicos, tem se mostrado uma excelente alternativa para a preservação de construções históricas. Um bom exemplo disso é uma igreja centenária transformada em skate park, em Asturias, Espanha.


Projetada por Manuel del Busto e construída em 1912, a Igreja de Santa Bárbara esteve abandonada por décadas até que um grupo de empreendedores, liderado pelo coletivo Church Brigade, teve a idéia de restaurá-la e transformá-la em uma pista de skate in door pública.




Através de um crowdfunding via internet e o patrocínio da marca Red Bull, a igreja ganhou ainda uma repaginação interna feita pelo artista Okuda San Miguel, que a transformou em um caleidoscópio de formas geométricas multicoloridas, que ganham um efeito impressionante quando o sol invade o templo pelas imensas janelas .






Batizada de Kaos Temple, a antiga igreja volta a atrair fiéis frequentadores e é um excelente exemplo da união da iniciativa coletiva em parceria com a privada na preservação do patrimônio arquitetônico.



Fonte A.D.
0

O querido José Carlos Provinciano e sua filha Flávia, que agora assume com o pai a direção da loja SCA Jundiaí, receberam nesta sexta-feira, 18 de dezembro, um grande grupo de arquitetos e designers de interiores para um delicioso brunch preparado pela renomada chef Sandra Romansini.
Além da confraternização e celebrar as parcerias em muitos projetos durante 2015, na pauta do evento estava a apresentação de muitas novidades da marca para 2016. Entre elas, o novo showroom e o estreitamento cada vez maior da relação com os profissionais.










Karina Contessoto, do Marketing SCA, realizou uma emocionada apresentação das novidades, com direito a uma bela mensagem em vídeo do presidente e fundador da SCA, Augusto Manfroi, além de uma homenagem ao diretor comercial do grupo, Gilmar Manfroi, falecido recentemente.




0

Remetendo às obras de Mondrian os módulos Aum criados pelo designer italiano Giuseppe Pulvirenti para a Acierno, é uma daquelas peças coringa indispensáveis na decoração.
Super funcionais eles se transformam em mesa de centro, mesa de canto, criado-mudo, bar, estante e mais o que a sua imaginação criar.
A base em madeira maciça na cor preto, recebe bandejas de acrílico nas cores primárias ou em preto e branco, possibilitando as mais variadas combinações e finalidades.





0

Quando olhamos uma foto aérea de um grande centro urbano podemos perceber o quanto são raras as áreas verdes. Vistas de cima, as cidades são ocupadas por telhados. E os impactos do desmatamento e da impermeabilização do solo vão muito além do fator estético. Alta das temperaturas e inundações são dois exemplos das consequências cruéis que isso acarreta.  
Imagine cidades como Nova York, São Paulo e Tóquio com jardins na cobertura de todos os prédios, como na ilustração da foto acima. Foi com esse pensamento que ambientalistas lançaram a idéia de transformar os telhados em áreas verdes. Verdadeiros jardins suspensos que, além de purificar o ar e oferecer isolamento climático, protegem o imóvel e possibilitam economia de energia.


Em Copenhague, na Dinamarca, foi aprovada recentemente uma lei que incentiva a implantação de telhados verdes nos novos edifícios, seguindo o exemplo de Toronto e Beirute.
Só em Toronto, Canadá, uma lei similar resultou em 1,2 milhão de metros quadrados de áreas verde em diferentes tipos de construções e uma economia de energia de mais de 1,5 milhão de kWh por ano para os proprietários dessas edificações.


Essa tendência também começa a surgir no Brasil, nas principais capitais do país. Um dos pioneiros aqui foi o Centro Cultural São Paulo, inaugurado em 1982 e concebido por um grupo de arquitetos coordenado por Eurico Prado Lopes e Luiz Telles. Os jardins suspensos do CCSP se tornaram um espaço de lazer para os frequentadores, onde é possível até tomar banho de sol.



Outro projeto interessante é do Shopping Eldorado que utiliza todo o seu telhado para uma imensa horta que abastece toda a praça de alimentação com frutas, verduras e legumes 100% orgânicos, além de aproveitar o lixo para a compostagem da terra dos canteiros.


Já existem empresas especializadas na implantação de telhados verdes em edifícios e casas. Uma rápida busca no Google retorna vários nomes de empresas especializadas e explicações sobre como é feita a implantação. É bom ir se familiarizando com a idéia pois já correm projetos de lei para torná-los obrigatórios por aqui também.




0

Conversando com um amigo sobre tendências na moda e decoração, ele fez a seguinte pergunta: Quem determina o que será moda a cada temporada? Como as empresas dos mais variados segmentos lançam simultaneamente produtos similares a cada temporada? Existe um “deus” que dita as tendências?
Achei interessante a pergunta dele e aproveitei para fazer este post, já que muita gente deve ter esse mesmo questionamento.



Na verdade não existe um “deus” mas as grandes marcas, para garantir a assertividade em suas coleções, contratam institutos especializados em analisar um grande conjunto de fatores que apontam o que o público desejará consumir nas próximas temporadas.
Não se trata de milagre ou imposições do mercado. Grandes empresas não podem correr o risco de lançar produtos que venham a fracassar na hora da venda. Assim, tudo o que acontece no mundo hoje, influencia o mercado amanhã. A função desses especialistas é estudar e analisar tudo isso e transformar em dados que influenciam todos os segmentos da indústria, da criação e produção até as embalagens e a publicidade.




Um exemplo bem claro disso são as cores. A cada ano uma cor surge como a grande tendência e se espalha em todos os produtos que consumimos. Este ano foi o Rosa Marsala que invadiu passarelas e editoriais de moda nas revistas, showroom de móveis e acessórios para casa, etc e etc.
Para a próxima temporada o Marsala será substituído pelo Rose Quartz, cor que está entre as top trending colors para a Primavera 2016 na Europa e Estados Unidos, segundo uma pesquisa do  Instituto Pantone, uma das maiores autoridades mundiais quando o assunto é identificar tendências.

 

Mas o Rose Quartz não vem sozinho. Essa cor puxa uma cartela com vários tons  calmantes e alegres, refletindo um desejo mundial: O otimismo!
Segundo o Instituto Pantone, apesar do rosa e tons pastéis terem sido associados ao universo feminino nas últimas décadas, as cores do momento ultrapassam as fronteiras de gênero, quase colocando um ponto final nos conceitos de diferenças e proclamando a igualdade. Assunto super em pauta em todos os meios.


Essa cartela de cores puxada pelo Rose Quartz vem também como uma continuação do estilo retrô que vem dominando já a alguns anos e reflete a busca do público por um certo romantismo e delicadeza da metade do século passado, adequado aos avanços dos tempos atuais.


O Rose Quartz já aparece também como a cor do verão 2016 aqui no Brasil e deve permanecer por todo ano. E em tempos pessimistas e violentos, esse clima mais suave e delicado tem a missão de acalmar os ânimos e projetar um futuro mais alegre, mais gentil, sereno e otimista.



0

Labels